quinta-feira, 30 de abril de 2015

Teatro - Auto da Barca do Inferno




“À barca, à barca!”



Já partiam as turmas do 9º ano e iriam viajar pela conhecida obra de Gil Vicente, que se expandira para além das páginas dos livros.


“Auto da Barca do Inferno”


      Um teatro simples, mas dinâmico, que respeitou a obra, interagiu e utilizou algum vocabulário corrente do público-alvo. A sua representação ocorreu nos claustros do Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, no dia 08 de abril. Reuniram-se, ali, os vários grupos sociais presentes na população portuguesa do século XVI, representando os seus vícios, hábitos e costumes. 



       Uma maneira de aprender a famosa sátira de Gil Vicente, de forma didática e cómica, fazendo com que os alunos adquiram interesse pelo Teatro.



     Uma peça de pouca duração, mas que preencheu todos requisitos do original, onde se utilizou devidamente, o lema do autor ao longo da história: Ridendo Castigat Mores”, que traduzindo do Latim significa “A rir se corrigem os costumes”. Denunciando e ridicularizando os comportamentos das personagens da época renascentista, convidou-se o público à reflexão.


     Terminando esta notícia, despeço-me dizendo que “assi 1 embarcaram” as turmas do 9ºano. Numa aula de português, num cais2, onde se depararam com duas opções: Um Batel Infernal e um Batel Divinal…

Andreia Barbosa


Vocabulário:

1- Assim

2- Local onde decorre a história

Sem comentários:

Enviar um comentário